Eleições no Brasil: 2018, o que saiu das urnas?

lava1

Passadas as eleições, avança o debate acadêmico sobre os seus resultados e os fatores que estiveram presentes. Entre eles: o papel das redes sociais, a reduzida importância das coligações e a acirrada polarização ideológica. E é para analisar “Eleições no Brasil: 2018, o que saiu das urnas? que o cientista político Antonio Lavareda participa, nessa quarta, do II Seminário Internacional de Ciências Política, na UFRGS, em Porto Alegre. O evento acontece dessa terça a sexta (20 a 23/11) e conta ainda com convidados de fora do país.

Confira a programação aqui

 

 

 

Programa 20 Minutos: João Campos fala sobre desafios de oposição ao governo de Bolsonaro

Capture d’écran 2018-11-16 à 11.46.32.png

O programa 20 minutos deste sábado (17/11),  apresentado pelo cientista político Antonio Lavareda, trará como entrevistado o recém-eleito deputado federal, João Campos, deputado mais votado em Pernambuco, nas eleições 2018. No programa, ele explica as principais propostas do seu mandato.

Durante a entrevista, Campos também fala sobre as estratégias de oposição que a equipe do PSB fará ao governo Jair Bolsonaro, eleito presidente do Brasil. “Nós não vamos tomar medidas, nem vamos nos posicionar de forma irresponsável, de maneira a atrapalhar a vida do povo brasileiro”, explica.

TV Jornal,  Programa 20 minutos, 14/11/2018.

Presidente do STF participa de reunião de pesquisa da AMB/FGV “Estudo de Imagem do Judiciário”

Dando continuidade aos compromissos institucionais no Rio Janeiro, os presidentes da AMB e do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, respectivamente, se reuniram, na manhã desta terça-feira (13), para tratar sobre a pesquisa “Estudo de Imagem do Judiciário”, encomendada pela AMB e realizada pela FGV-Rio, que tem o objetivo conhecer a imagem do Judiciário junto a vários segmentos sociais. Na reunião, ficou acertado o novo cronograma de trabalhos.

A vice-presidente Institucional da AMB e presidente da Associação dos Magistrados do Rio de Janeiro (Amaerj), Renata Gil, é a subcoordenadora da sondagem que está sendo feita pelo sociólogo e cientista político Antônio Lavareda, sob a coordenação do ministro do STJ Marco Aurélio Belizze.

Sobre a pesquisa, Toffoli agradeceu a AMB e a FGV pela realização da pesquisa que “vai sair do achismo e saber como o cidadão vê o Judiciário. Será um marco histórico”.

Jayme de Oliveira destacou a importância da pesquisa. “A preocupação de todos é comum e como disse o ministro Dias Toffoli a pesquisa será uma marco histórico para o Judiciário e também para a AMB. Conhecer a realidade é a melhor maneira de transformá-la”, disse Jayme de Oliveira.

O cientista político Antônio Lavareda apresentou o cronograma atualizado e o andamento das atividades a fim de apresentar diagnóstico de imagem do Poder Judiciário baseado nas funções do Judiciário, a percepção da sociedade, a relação do Judiciário com outros poderes, indicar a oportunidade de melhorar a comunicação do cidadão, entre outros.

Ele disse que já foram realizadas 33 entrevistas referentes às áreas eleitoral, militar e violência doméstica.

Para o ministro Bellizze, a reunião de definição de estratégia de finalização da pesquisa foi produtiva, principalmente o de coleta de informações. “Essa pesquisa vai trazer resultados favoráveis que serão certamente ferramentas utilizadas pelo Supremo na condução do destino do Poder Judiciário”, destacou.

“Fizemos uma avaliação do contexto político e econômico do País, de como o Poder Judiciário se coloca nesse universo. Precisamos avaliar os pontos que a sociedade efetivamente pretende de maior efetividade, de maior transparência, de maior atuação, para que nos possamos evoluir e torná-lo cada vez mais forte e independente”, ressaltou Renata Gil.

Participaram também da reunião, a secretária-geral da presidência do STF, Daiane Nogueira; o assessor da presidência do STF, Márcio Antonio Boscaro; o presidente da FGV, Carlos Simonsen, e integrantes da FGV.

 

Site AMB,  13/11/2018.

Lavareda fala com Orani Tempesta sobre o Brasil de 2019

 

Atendendo convite de Dom Orani Tempesta, Cardeal do Rio de Janeiro, o cientista político  Antonio Lavareda conversou sobre as expectativas para o Brasil em 2019, em almoço nessa segunda-feira em São Paulo.
O encontro também teve a presença do jesuíta Padre Carlos Fritzen, dirigente da organização internacional Fé e Alegria, sediada em Bogotá.
Blog do Jamildo, 12/11/2018

Maior diagnóstico sobre o Judiciário Brasileiro em estudo

Nessa terça feira (13/11/2018), o cientista político Antonio Lavareda apresentou na FGV, para um público que incluía Carlos Ivan, presidente da Fundação e o Ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, o cronograma da execução do Diagnóstico de Opinião da Sociedade sobre o Judiciário que ele coordena, encomendado pela Associação dos Magistrados Brasileiros. Com métodos qualitativos e quantitativos, incluindo população, advogados e jurisdicionado. “É o maior estudo do gênero realizado no país e será concluído em abril do próximo ano”, ressalta Lavareda.

ABC sedia debate sobre o resultado das eleições presidenciais

O evento “Eleições Presidenciais: Análise e Prospectivas”, coordenado pelo professor José Murilo de Carvalho, acontecerá no dia 14 de novembro, de 13h15 às 18h10, na sede da Academia Brasileira de Ciências (ABC). Com a eleição do futuro Presidente do Brasil, especialistas se reunirão para discutir sobre os novos representantes escolhidos no processo eleitoral e refletir sobre as implicações dessas mudanças no futuro próximo.

A abertura do debate ficará por conta do presidente da ABC, Luiz Davidovich, e do Acadêmico José Murilo. A atividade será realizada em duas sessões: análise eleitoral e prospectiva.

Da primeira sessão participarão os cientistas políticos Antonio Lavareda, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Jairo Nicolau, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e Argelina Maria Cheibub Figueiredo, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Iesp-Uerj).

Na segunda sessão, integrarão a mesa o Acadêmico e cientista político Wanderley Guilherme dos Santos (UFRJ), Sergio Abranches, cientista político e jornalista da CBN, e o Acadêmico Edmar Bacha, economista do Instituto de Estudos de Política Econômica/Casa das Graças (Iepe-CdG).

O evento é gratuito e aberto ao público, mediante inscrição. Sujeito à lotação do auditório.
Haverá também transmissão ao vivo através da página da ABC no Facebook.

Para saber mais sobre o debate e realizar sua inscrição Clique Aqui

Informalidade de Bolsonaro marca nova estética de poder

Estilo cerimonioso de Temer dá lugar a cenas como prancha de bodyboard em coletiva de imprensa, pão com leite condensado e bandeira colada com fita adesiva.

Fernando Krakovics / O Globo

RIO — A eleição de Jair Bolsonaro para a Presidência inaugurou uma nova estética no cargo mais importante do país. A formalidade do presidente Michel Temer dá lugar a cenas como o presidente eleito fazendo o pronunciamento da vitória com uma bandeira do Brasil, ao fundo, presa na parede com “silver tape”— uma fita adesiva de cor cinza.

Na última quinta-feira, Bolsonaro convocou uma coletiva de imprensa em casa, na praia da Barra, na qual os microfones das emissoras de televisão ficaram apoiados em uma prancha de bodyboard verde e azul, improvisada sobre duas mesas de vidro. Na manhã de ontem o capitão da reserva apareceu cortando o cabelo em um salão em Bento Ribeiro, na Zona Norte do Rio. E, no dia anterior, ele havia divulgado uma foto também cortando o cabelo, de chinelo, na garagem de sua casa.

Essa informalidade já teve espaço no governo Luiz Inácio Lula da Silva. O petista foi fotografado, por exemplo, com um isopor na cabeça ao sair da praia, na Base Naval de Aratu, em Salvador, em 2010. Além da quebra de protocolo, os hábitos de Bolsonaro à mesa também
surpreenderam .Na véspera do segundo turno, o Jornal Nacional exibiu reportagem sobre a última semana de campanha do então candidato do PSL, na qual ele apareceu espremendo uma caixinha de leite condensado sobre um pão francês, sem prato.
— Aqui não tem esse negócio de açúcar, não, rapaz, gordura, dieta — disse ele, na ocasião.
Para o cientista político Antonio Lavareda, são sinais que geram identificação com a maior parte do eleitorado:
— Esse tipo de imagem o aproxima do eleitor médio brasileiro. Esses comportamentos simples, como aparecer cortando o cabelo, têm tudo a ver com a maioria da população. Somos uma sociedade pobre, de baixa renda e com gostos adequados a esse padrão de renda e escolaridade.

Ao longo da campanha, Bolsonaro apareceu várias vezes na cozinha, com a pia cheia de louça suja e apoiando o pão na mesa, também sem prato nem toalha. No discurso, saem as mesóclises empoladas de Temer e entram os já folclóricos “isso aí”, para se referir a diferentes temas, e o “tá ok?”. A plataforma de comunicação também mudou. Bolsonaro tem investido na comunicação direta com o eleitor, por meio das redes sociais.