Ponto a Ponto discute os desafios dos presidenciáveis na Educação 

O investimento em educação caiu quase 70% nos últimos cinco anos, de acordo com pesquisa do Todos pela Educação, organização sem fins lucrativos formada por diversos setores da sociedade.  Apesar da pouca atenção direcionada à educação, o governo federal quer colocar em prática, a partir do ano que vem, a Base Nacional Comum Curricular, que vai implantar o mesmo currículo para as escolas públicas e particulares de todo o Brasil para igualar a educação básica. 

Para discutir o assunto, o Ponto a Ponto, apresentado por Mônica Bergamo e Antonio Lavareda, trouxe a presidente do Todos pela Educação, Priscila Cruz, no último sábado (12). 

Segundo pesquisa com 2 mil pessoas, realizada pela CNI-Ibope, em setembro de 2017, 77% dos entrevistados imputam a violência à baixa qualidade da educação; já 60%, concordam que o problema está diretamente ligado à corrupção.

Veja a entrevista:

 

Leia mais:

20 Minutos: Ronnie Duarte defende papel da advocacia na Lava Jato

Assista ao Ponto a Ponto com André Perfeito

Folha e Cebrap promovem debate sobre internet e eleições

Folha de SP (10/05/2018)

O Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento) e a Folha realizam, no dia 28 de maio (segunda), um novo debate da série Diálogos.

A mesa-redonda, que discutirá internet e eleições, será composta por Antonio Lavareda, professor da UFPE, presidente do conselho científico do Ipespe, e Manoel Fernandes, diretor da Bites, empresa que atua em prevenção e estratégia no ambiente digital.

A mediação será de Uirá Machado, editor de Ilustríssima. O debate será registrado em vídeo e, posteriormente, publicado no site da Folha (www.folha.uol.com.br)

O evento não exige inscrição prévia, é gratuito e acontece às 11h no auditório Elza Berquó (Rua Morgado de Mateus, 615, Vila Mariana), em São Paulo.

Leia mais:

Sistema Político ‘expele’ outsiders, diz especialista

Antonio Lavareda sobre ex-presidente Lula: “Potencial de transferência de votos irá se reduzir”

Sistema Político ‘expele’ outsiders, diz especialista

Por Ricardo Mendonça – O Valor (09/05/2018)

O sistema político brasileiro tem a propriedade de "expelir" outsiders que almejam a Presidência da República, avalia o cientista político Antonio Lavareda, diretor da empresa MCI, que trabalha com estratégia de comunicação política. Segundo ele, é isso que resta provado após as desistências do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa (PSB), anunciada ontem, e do apresentador de TV Luciano Huck (sem partido), anunciada em fevereiro.

Tanto Barbosa como Huck eram tidos no meio político como possíveis postulantes com relevante potencial eleitoral. Suas candidaturas seriam garantidos pelos presidentes do PSB e do PPS, respectivamente, este último citado para abrigar Huck. Mas os projetos acabaram abortados na fase gestacional.

"Eles acabam saindo [da disputa] porque são expelidos pelo modelo", disse Lavareda em entrevista ao Valor. "Diferentemente do que ocorre em alguns países em que é possível ter candidatura avulsa, aqui o sujeito precisa combinar sua candidatura com o dirigente do partido, se comprometer com a bancada em Brasília, passar pelo crivo dos governadores, tem de dar explicações antecipadas sobre vários temas, tem de fazer acordo, fazer concessões. E tudo isso é entrelaçado, complexo."

Para Lavareda, quem não é do meio político e não quer se expor excessivamente acaba desistindo de entrar. "É uma característica do nosso sistema. Não faço juízo de valor, se é positivo ou negativo. É assim."

Lavareda afirma que a candidatura de Joaquim Barbosa representaria uma "alternativa" para um tipo de eleitor que não aprecia políticos tradicionais. Ele afirma que a taxa de indecisos caía quando Barbosa era colocado como opção de candidato nas pesquisas quantitativas. Dessa forma, completa, a saída de Barbosa da disputa tende a engrossar o contingente de indecisos no primeiro momento. Na sua avaliação, o ex-ministro do STF tinha potencial de crescer junto ao eleitorado de centro-direita que tem se mostrado muito preocupado com a questão da corrupção. É o que ele chama de "mercado eleitoral da indignação, do clamor moral".

"Seria um candidato com perfil curioso", disse. "O anzol dele é de centro-esquerda, do PSB, da história do menino pobre. Mas ele iria pescar eleitores na centro-direita." A ausência de Barbosa, portanto, representa o afastamento de uma ameaça para nomes que militam nesse campo, como Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro (PSL).

O economista Mauricio Moura, diretor da empresa de pesquisa Ideia Big Data, faz uma avaliação semelhante. Quando era apresentado como candidato a presidente, o ex-ministro do Supremo aparecia como beneficiário de "admiração" de eleitores das classes A e B, disse.

Era lembrado, sobretudo, por sua atuação como relator do processo do mensalão, que culminou na condenação de alguns dos principais dirigentes do PT, como José Dirceu, João Paulo Cunha e José Genoino. Ao anunciar que não irá disputar a eleição, Barbosa permite que esse público volte ao seu curso tradicional. Nesse sentido, a desistência tende a ser positiva para Alckmin, afirma Moura.

O ex-governador de São Paulo, no raciocínio de Moura, era um dos mais ameaçados pela presença de Barbosa na disputa. Sem o ex-ministro do Supremo no rol candidatos, essa ameaça que pairava sobre Alckmin desaparece. Moura não acredita que o PSB faça aliança para apoiar a candidatura do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) no primeiro turno. Isso minimizaria o ganho que o ex-governador do Ceará também poderia ter com a desistência de Joaquim Barbosa. "Não ter candidato a presidente talvez seja a melhor alternativa para os governadores do PSB que querem reeleição e dependem da manutenção de seus acordos locais", disse. "Libera palanques regionais e garante a integridade do dinheiro do fundo eleitoral para os nomes do próprio partido", concluiu.

A saída de Barbosa, de qualquer forma, representa um alívio para o nomes do PSB que pretendem disputar vaga de governador, em especial Márcio França, em São Paulo, e Paulo Câmara, que tenta a reeleição em Pernambuco. A candidatura nacional do ex-ministro do Supremo causaria desarranjos em alianças locais que são mais interessantes para os planos particulares desses dois políticos.

Uma resolução do PSB produzida na última reunião de seus dirigentes nacionais estabeleceu três alternativas para o partido nas eleições presidenciais: ter candidato próprio, não apoiar ninguém ou fazer aliança para apoiar algum representante de centro-esquerda.

A primeira alternativa, a do candidato próprio, ruiu na manhã de ontem com o tuíte de Barbosa anunciando sua desistência. Se prevalecer a terceira alternativa a de aliança, a tendência mais natural para o PSB seria apoiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com o petista preso, Ciro larga na pole-position.

Leia mais:

“Lula pode ser solto?” é tema do Ponto a Ponto

Antonio Lavareda sobre ex-presidente Lula: “Potencial de transferência de votos irá se reduzir”

“Lula pode ser solto?” é tema do Ponto a Ponto

O professor de Direito Penal da Faculdade Getúlio Vargas (FGV) Davi Tangerino foi o entrevistado do Ponto a Ponto do último sábado (14). A conversa, conduzida pela jornalista Mônica Bergamo e o sociólogo Antonio Lavareda, traz assuntos ligados à prisão do ex-presidente Lula, como o foro privilegiado, a confiança nas instituições, a Lava Jato e a mídia.

De acordo com pesquisa do Datafolha (realizada em abril de 2017, com 2.781 respondentes), 70% dos entrevistados dizem que o foro especial por prerrogativa de função, conhecido coloquialmente por foro privilegiado, deveria deixar de existir no País. Já 24% concordam que o mecanismo jurídico usado para julgar pessoas de cargos superiores das esferas municipal, estadual e federal deve continuar em prática no Brasil e 6% não souberam responder.
Assista:

 

Leia mais:

Leandro Karnal no último Ponto a Ponto do ano

Lavareda entrevista educadora sexual no Ponto a Ponto 

Fake News em pauta no Ponto a Ponto

Assista ao Ponto a Ponto que discutiu Fake News, com a advogada Taís Gasparian. A entrevista foi ao ar no último dia 24 de março, na BandNewsTV.

Taís Gasparian é bacharel em Direito pela Faculdade de Direito e em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, ambas da Universidade de São Paulo (USP), mestre em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela Faculdade de Direito da USP.

Veja aqui:

 

Leia mais:

Mídias sociais e política no Ponto a Ponto; assista

Lavareda entrevista educadora sexual no Ponto a Ponto